CONECTE-SE
  

SISTEMA NERVOSO INTESTINAL

A importância dos intestinos é tão grande que eles dispõem de uma “central de comando” própria. Conheça essa maravilha! intestino Você já deve ter ouvido falar na existência de um sistema nervoso no intestino. Isso é verdade. A organização tecidual epitelial com inúmeras vilosidades formadas por células absortivas e secretoras de muco, hormônios e enzimas digestivas e tecido conjuntivo e muscular, formando a mucosa. Além da mucosa, há a presença de submucosa, constituída por tecido conjuntivo com glândulas responsáveis por produzir uma secreção altamente básica, responsável por neutralizar a acidez do quimo(alimento cuja digestão já iniciou) proveniente do estômago. Após essas camadas, há outra de tecido muscular com duas subcamadas: circular interna, cujas fibras se dispõem circularmente, como se “abraçassem” a luz do tubo intestinal, e longitudinal externa, cujas fibras se dispõem longitudinalmente ao comprimento do intestino. Na camada submucosa, bem como entre as duas camadas de tecido muscular, há plexos formados por células nervosas, facilmente visíveis a um microscópio óptico.sindrome-do-intestino-irritavel-880x340 Essas células nervosas existem para controlar a secreção das células intestinais, bem como os movimentos peristálticos, que promovem a movimentação do quimo ao longo do tubo digestivo. Sua importância é fundamental para que ocorra a correta digestão e absorção dos alimentos ingeridos, sem as quais as sobrevivência não seria possível, já que é nessa porção do intestino delgado que a maior parte da absorção ocorre. Dada a sua importância, o sistema nervoso entérico, como é chamado esse conjunto de neurônios presentes no intestino, age independentemente do sistema nervoso central (encéfalo e medula espinhal), apesar de poder ser estimulado ou inibido por esse último sistema. Sem o correto funcionamento intestinal devido a maus hábitos alimentares, há sérios prejuízos dessas funções. Gerações passadas, porque consumiam mais alimentos ricos em fibras, tinham menos problemas de constipação do que a geração atual. Hoje, o problema de mal funcionamento intestinal é real, levando a diminuição da qualidade de vida de muitas pessoas que acabam sofrendo de mal-estar e dores constantes, além de trazer sérios riscos à saúde em longo prazo, já que os dejetos presentes nas fezes, se não são eliminados pouco tempo após sua formação, vão adquirindo toxicidade que, em alguns casos, ao câncer. A solução para esses problemas está no consumo de cerca de 30 gramas diárias de fibras solúveis e insolúveis, que, não sendo digeridas, acabam por aumentar o volume do bolo fecal, além de absorver água, tornando o bolo mais fácil de movimentar, facilitando sua eliminação. Porém, o funcionamento das fibras é prejudicado, caso não haja ingestão adequada de água, já que a absorção de água pelas fibras será prejudicada. Trata-se de outro sistema engenhosamente desenhado para manter funcionando a “máquina” extraordinária chamada corpo humano.